Sentimentos & Futilidades

Sentimentos & Futilidades

quinta-feira, 13 de julho de 2017

Ame em cada porto que ancorar.

Que minha vontade de me derramar, seja maior que a de permanecer onde estou. Que eu me derrame, e se der, ame em cada porto que ancorar. Que eu enxergue a poesia do navegar, e aceite que para chegar a qualquer lugar, é necessário percorrer algum caminho. E quando o azul do mar e o azul do céu se unirem no horizonte, sem que eu saiba mais se são os peixes nadando no céu ou as aves VOando no mar, eu sinta o infinito de mim, do mar e do amar.


quinta-feira, 6 de julho de 2017

A soma vermelha me pesa.

​ Eu vi a luz. Próxima. Distante. A luz tinha cores, as cores tinham sons. Que vozes insuportáveis! Por um momento, andei sobre elas e me fixei o olhar exclusivamente àquele ambiente urbano. Os sentimentos fervendo nas veias. E quando em mim eu entro, sou capaz de ver também tudo o que em mim eu sinto vibrar. Essa dor que me inflama, me indica onde devo melhorar. A soma vermelha me devasta, mas não por mim. Eu sinto dor, mas não por mim. A soma vermelha me pesa. Dentro dela, escrito "decepção". Isso que pesa. As cores somem, mas o vermelho... ah, o vermelho! O vermelho me corrompe. O vermelho sou eu e me machuca. Os sons têm luzes, as luzes têm sons... e agora a frequência do som concentrou-se em uma nota. A nota vermelha. Soma. Vermelha. Agora o gosto almiscarado na boca, me lembra a amargura do sangue que disseleciona, separa e exclui.